terça-feira, 5 de setembro de 2006

no DVD - V de Vendetta


Ontem aluguei o filme "V de Vingança" pelo simples motivo de que havia pouco por onde escolher no meu clube de video. Confesso que esperava muito pior, tendo em conta as criticas que li na altura em que estreou. Afinal não achei o filme nada mau. Antes pelo contrário.

Reduzindo o argumento a números, pode-se dizer que é uma espécie de 1984 pós 9-11. ( Com a curiosidade de ter o John Hurt a fazer de "Big Brother", ele que no 1984 era a vítima do sistema. Coincidência? Não me parece...)

Convenhamos, o filme é demagógico, falacioso, retórico e tenta desesperadamente ser politicamente interventivo. E parece provocadoramente pro-violência e pro-terrorismo. Mas embora ande a brincar com o fogo ideológico, curiosamente só se chamusca ligeiramente.

Passeia-se airosamente entre o género de acção e o triller de conspiração política com um toquezinho de romance e nunca se deixa cair em nenhum género cinematográfico. Pisca o olho a mil e uma referências cinematográficas, pictóricas, históricas, musicais e no entanto mantém uma personalidade própria. Tem tudo para não gostarmos dele e no entanto... não se desgosta.

Provavelmente o filme acaba por convencer por beber da personalidade da personagem do terrorista V. Tem a plena convicção de não é perfeito, mas não pede desculpas a ninguém.

Para mim isso já é muito bom.
E qualquer coisa que me consiga fazer pensar ou que me force a tentar tecer um juízo moral por me ter deixado num terreno pantanoso, vale o tempo investido.
Vejam.
V.

3 comentários:

Nuno Pires disse...

Se o ver, é unicamente para Natalie Portman :P

Daniel J. Skråmestø disse...

É um bom motivo!

futurodesconhecido disse...

também o vi, e foi tipo, ligar, e entrar em modo "não pensar", basicamente é esse o tipo filme.

não faz bem, nem faz mal é como aqueles comprimidos para a gripe... adormecem um pedaço.

um bem haja.