sexta-feira, 21 de abril de 2006

cliche

Ontem a propósito do filme "Me and You and everyone we know" (muito recomendável, diga-se de passagem) lembrei-me de um pequeno momento da minha vida, de um dia em que me levantei cedíssimo em casa dos meus pais para apanhar um comboio. Enquanto comia o pequeno almoço, o sol levantava-se e pela janela da cozinha entrava uma bonita luz dourada. Nisto, lá fora, um passarinho vem pousar nas roseiras em flor da minha mãe e põe-se a pipilar muito feliz.
Foi a primeira e única vez que assisti a uma cena imortalizada em vários padrões de cortinados, serviços de chá e leques chineses. Ou seja, era um cliché da pirosada ao vivo e a cores.
Serviu esse momento para eu perceber como a representação artistica da realidade pode conspurcar a nossa percepção dessa mesma realidade. Porque, embora eu estivesse consciente da profunda e comovente beleza do passarinho cantor pousado na roseira estava também consciente de que toda uma cultura visual da humanidade me tinha condicionado para achar aquilo uma grande e ridícula pirosada.
Suponho que seja esse um dos grandes males da sociedade moderna, o facto de não se conseguir ter um experiência pura da realidade. Tudo nos chega revisto, reciclado, representado e eu tenho a impressão de que é preciso mais inocência para se enfrentar o mundo e viver como deve ser, caso contrário passa-se a vida prisioneiro do cinismo e da ironia.

3 comentários:

Mister Agá disse...

Pode ser cliche,
Mas gostei muito da tua posta!

Quanto ao filme - tb ouvi muito bem por outros lados... E assim sendo, aí vão dois que devia ter visto e que não vi...

"Me, You and Everyone we Know" (ontem)
"Le Temps qui Rest" (hoje)

abracos.
Mister Piúuu Piúuuu

eniu disse...

Infelizmente, momentos como esses que deveriam ser especiais e mais habituais, tornam-se ridículos por estarmos viciados em tantos outros momentos, esses, muito menos especiais e mais fúteis.
Raramente podemos assistir a esse tipo de cenários quase únicos e smelhantes a histórias de livros de fadas e príncipes.
Fomos engolidos por uma sociedade feia e triste que nos impede de poder assistir a momentos do género.

pimpinela disse...

sinto o mesmo.