terça-feira, 14 de março de 2006

Outro contexto

Roubei esta imagem no blog "O Abrupto". É um saco da cadeia de livrarias Waterstones.


Para quem é está tudo bem, mas aposto que o Jerry Seinfeld nunca foi à Rua do Carmo e à Rua Garrett onde se acham livrarias com tromboses evidentes.

Continuo a preferir o saco que me deram numa livraria da Cidade do México, amarelo berrante com enormes letras pretas que diziam: "Não me roubes, só trago livros!". Acho que é uma frase muito optimista porque parte do princípio que o potencial ladrão sabe ler...

3 comentários:

Mikael disse...

Realmente o "Não me roubes, só trago livros!" é fabuloso :) Mas mais importante do que os sacos são os próprios livros... porque qualquer um pode usar o saco, mesmo sem ter livros lá dentro.

Agora lembrei-me de algo que dizia quando era miudo e a minha mãe me chateava por deixar a minha mochila em qualquer lado. Era qualquer coisa do genero: "Oh mãe só lá tenho livros e apontamentos, quem é que quer isso?" :) A verdade é que nunca me roubaram nada da mochila...

no limbo disse...

Eu ainda hoje deixo a mochila em todo o lado sem algum problema :) Então se estiver aberta com 'História 11º' à vista, ninguém ma rouba de certeza!
Mas gostei muito da história do México, por acaso !

eniu disse...

Será que existe alguem que roube livros?
Já assisti a vários episódios de alguem dizer: "deixa aí, ninguem rouba!" e o que lá estava?? LIVROS !
Acho que por um lado era bom haver mais ladrões de livros, poderia ser que houvesse mais cultura por aí