quarta-feira, 8 de novembro de 2006

Correndo sobre o vazio

É um bocado difícil uma pessoa concentrar-se e sair-se com trabalho ou conversa inteligente quando só se pensa em dinheiro.
Tenho passado as últimas semanas ao telefone armado em cobrador. Olho para a colecção de facturas que não me pagam desde Julho e acho que posso vir a ficar rico. Olho para o meu extracto bancário e acho que os meus últimos tostões deviam ser investidos na compra de um taco de basebol a utilizar nos clientes como se usa nas pinhatas.
O pior é que isto não é só comigo, é com Portugal inteiro. Como é que eu posso exigir que alguém que não tem dinheiro (porque, por sua vez, também não lhe pagam) me pague a mim?
Num universo económico em que os pagamentos que legalmente deviam ser feitos a 30 dias são logo à partida verbalizados para 60, desculpados para 90 e desavergonhadamente adiados para 120, onde fica o limite que rebenta a corda?
Só alguém muito desfasado da realidade é que se surpreenderá quando houver um colapso económico no País. Portugal continua a existir por pura boa vontade de quem trabalha e de quem se acomoda.
Da minha parte, estou mesmo disposto a comprar o taco de basebol (embora provavelmente vá acabar por ter de recorrer à vassoura que já há cá em casa)

1 comentário:

dolphin.s disse...

e o "engraçado" é que posso jurar que já escreveste um texto quase igual a este há algum tempo..... :/