terça-feira, 9 de agosto de 2005

a pobreza

Nestas férias na Madeira apercebi-me de uma coisa que sempre me tinha passado um pouco ao lado: a pobreza cultural.
Com isto não estou a falar de populações privadas de cinemas, concertos, museus, etc... mas sim de pessoas que vivem quase como burros de palas nos olhos. E não o fazem por pobreza económica, opressão social, ou seja o que for, mas sim pelo que eu entendo como pura pobreza de espírito.

Passei as férias numa pequena aldeia no meio das montanhas e dei passeios pelo campo e fiz longas viagens de autocarro e uma coisa que prendeu a minha atenção foi como cada casita tinha sempre o seu quintalinho. É uma coisa simpática, mas na Madeira, a esmagadora maioria ocupa os seus quintalinhos com uma plantação de couves. Daquelas galegas, grandes, farfalhudas e que conseguem quase crescer como palmeiras.

Porquê?!

Não consigo perceber, sinceramente. Aquela ilha é abençoada por um clima e uma terra onde se pode plantar tudo o nos passar pela telha que a coisa há-de crescer feliz e sumarenta. Então porquê plantar couves? E porque é que TODA a gente o faz? E porque é que ocupam o quintal TODO com aquilo (estou a falar de 20 a 30 couves por quintal!!!)?

Vejamos:
1- A couve é das coisas mais baratas de comprar num mercado.
2- Uma família com uma dieta equilibrada não precisa de mais de duas ou três couves no quintal.
3- Um quintal familiar não produz couve suficiente para que a sua comercialização seja rentável.
4- Se toda a gente tem couves no jardim, ninguém compra couves.

Ocorreu-me que talvez houvesse um prato típico da Madeira que levasse muita couve. Mas para além do caldo verde não me ocorreu mais nada. Será que aquela gente come caldo verde ou cozido à portuguesa todos os dias?! O mal que isso não deve fazer ao ambiente familiar... Mas é que nem nos restaurantes (naqueles a que fui) se dá bom uso á couve!

Sinceramente, não percebo. Se se tem uns bons metros quadrados atrás da casa capazes de nos abastecer a dispensa com qualquer verdura, do kiwi ao pimento, da hortelã à marijuana, porquê insistir nas couves? Só pode ser pobreza. Cultural.
E é triste, porque não se vê remédio para isto e nem sequer se pode culpar o governo.

3 comentários:

João M disse...

A minha avó usa as couves não só para ela própria comer, mas principalmete para dar a comer aos coelhos e às galinhas, para não engordarem só com ração. Voilá! Pode ser uma das explicações. De resto, também há milhares de pessoas nas cidades que não dão importância há beleza natural, pelo que o problema está nas tuas expectativas.

Daniel disse...

Podem ser de facto algumas das solucoes para o enigma mas aposto que nem metade daquela gente tem galinhas ou coelhos. Aquilo tem de ser visto para se acreditar.

E eu nao estava sequer a falar de beleza natural... se lhe fosse pegar por aí... enfim... nao lhe peguemos por aí...

Pequenos Nadas disse...

plantar couves é um programa cultural? que todos os problemas culturais fossem esses...
Mas depois fiquei sem saber existe alguma explicação lógicxa para esse facto?