sexta-feira, 8 de maio de 2009

Shearwater

Ontem à noite fui ao concerto dos Shearwater aqui em Oslo. Foi excelente. Não só o técnico de som sabia o que estava a fazer —som cristalino com todos os inúmeros instrumentos no volume correcto — mas também os músicos estavam no máximo da sua competência. São raras as bandas capazes de gerir tão bem o ruído e o silêncio e as formidáveis canções de "Rooks" revelaram-se ainda mais eficazes ao vivo. As duas novas canções apresentadas prometem um próximo album ao mesmo nível.
Houve momentos com piscar de olhos aos Talking heads, outros aos Supertramp e até um toque Dead Can Dance quando o baterista se revelou muito competente a tocar saltério (e, noutras canções, xilofone). Aliás, cada membro da banda tocou pelo menos 4 instrumentos diferentes.
Concerto inspirado e inspirador. Que mais se pode pedir?

E agora, para arrefecer a o nojo que estive a meter:

4 comentários:

Alexandre Gaspar Weytjens / disse...

Caro Daniel, sei que és um acérrimo defensor da liberdade e por ouso pedir-te isto: se podes divulgar esta informação e difundi-la via blogues amigos sobre a lei da imprensa que foi bafejada num jornal português do Luxemburgo (onde eu trabalho). Obrigado, desde já!
abraço
José Luís
---------
Luxemburgo: Polícias confiscam bloco de notas e ficheiro de computador em jornal português

Lisboa, 08 Mai (Lusa) - Dois polícias, acompanhados por um técnico em informática, estiveram na quinta-feira na redacção do Contacto, semanário português publicado no Luxemburgo, de onde levaram um bloco com notas de reportagem e o ficheiro de um computador.

Segundo disse à Agência Lusa, em contacto telefónico, o chefe de redacção do jornal, José Luís Correia, inicialmente os dois agentes informaram que o Contacto tinha violado a Lei de Imprensa ao divulgar nomes de dois menores numa reportagem publicada em Dezembro, relativamente aos casos de uma rapariga e um rapaz retirados à respectivas famílias e colocados num internato.

Pediram uma cópia do referido artigo em suporte informático e daí a pouco apresentaram um mandado passado por um juiz para uma busca à redacção e a apreensão do bloco de notas da reportagem.

In Jornal de Notícias

Alexandre Gaspar Weytjens / disse...

Aqui vai a notícia completa da Lusa, em que se diz que tanto o Conselho de Imprensa Luxemburguês como os Repórteres Sem Fronteiras (RSF), como a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) nos seus sites condenam a acção da Polícia luxemburguesa (podes confirmar nos respectivos sites):
----------------
Luxemburgo: Polícias confiscam bloco de notas e ficheiro de computador em jornal português

Lisboa, 08 Mai (Lusa) - Dois polícias, acompanhados por um técnico em informática, estiveram na quinta-feira na redacção do Contacto, semanário português publicado no Luxemburgo, de onde levaram um bloco com notas de reportagem e o ficheiro de um computador.

Segundo disse à Agência Lusa, em contacto telefónico, o chefe de redacção do jornal, José Correia, inicialmente os dois agentes informaram que o Contacto tinha violado a Lei de Imprensa ao divulgar nomes de dois menores numa reportagem publicada em Dezembro, relativamente aos casos de uma rapariga e um rapaz retirados à respectivas famílias e colocados num internato.

Pediram uma cópia do referido artigo em suporte informático e daí a pouco apresentaram um mandado passado por um juiz para uma busca à redacção e a apreensão do bloco de notas da reportagem.

Já na sala de redacção, o técnico que acompanhava os agentes descarregou para uma "pen" ficheiros do computador do jornalista que fez a reportagem, a quem foi também exigida a entrega do bloco de notas.

José Correia disse à Lusa que esta acção da polícia luxemburguesa, além de pôr em causa a protecção das fontes é "desproporcionada" face à reportagem em causa, de que resultou uma queixa do assistente social envolvido no caso dos dois menores por alegada "difamação e calúnia".

O chefe de redacção do Contacto alegou que a lei de imprensa luxemburguesa proíbe buscas em redacções e no domicílio dos jornalistas, excepto em caso de tráfico de estupefacientes, terrorismo, branqueamento de dinheiro ou risco para a segurança do Estado, assuntos que nada têm a ver com a reportagem em causa.

Na segunda-feira, os advogados do jornal irão solicitar à Justiça a anulação do mandato e a devolução do bloco de notas e dos ficheiros retirados do computador.

"O caso deverá ser objecto de investigação para evitar a sua repetição", afirmou ainda José Correia, considerando que estas actuações da polícia "são raras, senão inéditas" no Luxemburgo e devem ser travadas quanto antes.

Os Repórteres Sem Fronteiras, a Federação Europeia de Jornalistas e três sindicatos luxemburgueses já se solidarizaram com os jornalistas do semanário Contacto e condenaram a acção policial, que atenta contra o direito daqueles profissionais de protegerem as suas fontes.

Daniel J. Skråmestø disse...

Que cena! Também me solidarizo!
Grande abraço, Zé luis!

Alexandre Gaspar Weytjens / disse...

thanx! abraço.